//
Você está a ler ...
Geral

Como enviar um CV?

A conclusão de um curso superior deverá ser, sem dúvida, um momento de festejo. Os sacrifícios, as lutas, o nervosismo dos exames e até as lágrimas finalmente chegaram ao fim. A partir de agora é entrar no mercado de trabalho, começar a ganhar dinheiro e olhar sempre para a frente. Estas linhas estariam corretas se estivéssemos em 1970, 1980, 1990 ou mesmo no ano 2000. Hoje em dia as coisas não funcionam da mesma forma. Se antigamente o curso superior era a chave da porta de um futuro razoavelmente tranquilo, hoje em dia, isso não se passa da mesma forma.

É comum ouvir, por parte dos recém-licenciados, que já enviaram mais de 100 CV´s para imensas empresas mas que ainda não obtiveram resposta. E que o objectivo é não desistir e continuar a enviar CV´s. Provavelmente, daqui a 6 meses, se mantiverem a mesma estratégia, o desânimo será maior, começando a acentuar-se o processo de frustração e de diminuição da auto-estima.  Deixam de acreditar que são capazes.

Creio que por vezes seria importante ao recém-licenciado colocar-se do outro lado. Pensar o que faria se fosse empresário, e recebesse toneladas de CV´s todas as semanas. Tentando fazer isso, talvez a sua estratégia de procura de emprego se alterasse. Qualquer empresário, grande ou pequeno, quer que a sua empresa cresça e crie riqueza. Assim, tendo isso em mente, o recém-licenciado não deve apenas ficar-se pelo envio do seu percurso académico. Deve delinear uma proposta, que permita mostrar que ele pode acrescentar valor à sua empresa.

Existem, felizmente, empresários dispostos a ouvir os mais novos e com vontade de os ajudar a evoluir, assim estes percebam que a simples entrega do CV não é suficiente. Têm que ir à luta, têm que mostrar que são criativos e que podem fazer com que a empresa a que se candidatam, só tenha a beneficiar com eles. Isso consegue-se através de propostas concretas, de planos bem estruturados, que suscitem a curiosidade dos empresários. No limite ouvem um não mas, pelo menos, mostraram-se, deram a cara, foram proactivos na prossecução dos seus objetivos. A própria proposta que construírem, ajuda também a estruturar ideias, a conhecer o mercado, a desenvolver planos e isso, um dia mais tarde, poderá levar o recém-licenciado a ser empreendedor, a construir o seu próprio emprego, e a criar riqueza, dando oportunidades a futuros recém-licenciados, tal como ele foi um dia.

(Manuel Paquete, é um dos co-fundadores da Bwizer e periodicamente irá contribuir para o enriquecimento deste espaço. )

Discussão

5 thoughts on “Como enviar um CV?

  1. Sara, é com tristeza que leio mais um comentário dizendo que as empresas e os empresários querem contratam pessoas por maldade e para se aproveitarem. Se uma empresa contrata alguém, é porque precisa de mão-de-obra e quer retorno. Não duvido que perante esta situação de mercado, os empresários oferecem salários mais baixos mas isso é tanto um aproveitamento como secalhar a única possibilidade de criar emprego, pois os lucros são menores.
    Sem dúvida que uma carta de apresentação, uma proposta, um plano, algo além do e-mail com um documento anexado, é a mais valia.
    Eu recebo dezenas de CV’s por semana e iriam espantar-se com a percentagem mínima de pessoas que escreve algo no e-mail. A maioria ou só mete algo no assunto ou escreve algo como “preciso de emprego”. É assustador a cultura que os portugueses têm a achar que as empresas lhes devem um emprego, como se fossem mais uma entidade como o Estado e um poço sem fundo.

    Posted by Trabalho em Londres | Novembro 15, 2012, 14:12
    • Não disse que os empresários contratavam por maldade… o que eu quis dizer é que o envio de um projeto detalhado pode não suscitar a entrevista, ou não levar à contratação após a mesma… isso é um pau de dois bicos, pois veja bem, e falei por experiência própria quando disse que muitas vezes não dão o devido valor: após apresentação de um projeto que fiz e que o recusaram junto de um empregador, por muito espanto meu, vi implementar um muito idêntico, se não completamente igual, passados poucos meses, na empresa em questão! e agora pergunto… fui eu que não me esforcei, não me deram o devido valor, ou não estavam interessados em contratar mas sim em toda a ideia envolvente? … foi aqui que eu quis chegar, pois há mesmo maldade em todo o lado, infelizmente.

      Só quero que entenda que eu não falei de salários, nem de lucros, nem de cultura… mas mais de uma questão de valores. As empresas não devem um emprego a ninguém, mas devem um respeito pelo trabalho feito e demonstrado… e/ou pelo menos uma resposta simples e concreta a essas centenas de pessoas que enviam e-mails mesmo que apenas com o CV anexado.

      Posted by Sara | Novembro 15, 2012, 22:41
  2. Não sei até que ponto propostas concretas e planos estruturados levam à criação do emprego para o tal jovem dentro da tal empresa, afinal, há maldade em todo o lado, e as empresas sabem muito bem apoderar-se do que é dos colaboradores/ou ainda não sendo colaboradores, sem no entanto lhes dar o devido valor.

    Demonstrar através de uma carta de motivação as razões que o levam a candidatar-se e delinear algumas ideias de negócio que possam contribuir para o crescimento daquela empresa e anexar ao CV, aí tudo bem. Mas a meu ver, não é o envio de um CV com projetos, como mencionou, que suscitará o interesse para a contratação… ao invés sugiro a colocação dessa questão, de como colocaria a ideia que enumerou em ação, numa entrevista, numa conversa olhos nos olhos… ser intraempreendedor (empreendedor dentro da empresa que o contratou) requer outras características transversais que não vêm demonstradas num projeto escrito… e isso apenas é viável de ser analisado em entrevista, para além de que assim avaliam-se as competências pessoais e sociais descritas no CV… aí sim, a pessoa tem chance de ficar colocada e se não ficar, receber automaticamente o feedback por parte do empregador.

    Posted by Sara | Novembro 13, 2012, 19:09
    • Olá Sara.
      Muito obrigado pelo feedback. Percebo a interpretação que faz do que escrevi. O meu objetivo era dizer que o envio do CV não é suficiente e daí o ponto de interrogação no título. Isso não desperta a curiosidade do empregador. O ideal será deslocar-se à empresa a que se candidata, pedir para falar com o responsável, entregar o CV e ao mesmo tempo, explicar-lhe que não é uma simples entrega de um CV mas que tem algumas ideias que gostaria de explorar com ele. Claro que existem muitos empresários que irão dizer que não têm tempo mas, aqui já entra a criatividade do candidato para cativar o empregador. Porque não dizer: “só lhe peço 3 minutos do seu tempo e garanto que não se arrepende!”. Esta abordagem pode fazer a diferença. Mostra atitude. E as pessoas gostam disso.
      Creio que depois de explicar o que pretendi, as nossas ideias ficam bastante próximas.

      Cumprimentos

      Posted by Manuel Paquete | Novembro 13, 2012, 21:30
      • Perfeitamente, estamos em sintonia e esclarecidos. Para além do envio do CV, é imprescindível criar a auto-promoção e suscitar o interesse do empregador para a nossa contratação.

        Cumprimentos

        Posted by Sara | Novembro 15, 2012, 22:49

Participe! Deixe um comentário ...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: